O procurador Eduardo Varandas usou sua conta no Instagram nesta quarta-feira (03), para explicar sobre a liberdade religiosa e o direito à vida. Ele afirmou que é uma questão excepcional de pandemia e de saúde pública e que as pessoas não estão impedidas de louvar a Deus.

“As pessoas estão confundindo muito liberdade religiosa com o direito fundamental e a questão do direito à saúde, portanto direito à vida. Nenhum primado constitucional prevalece sobre o direito à vida. Quando um decreto legislativo suspende atividades religiosas que aglomeram ele não está cerceando em momento algum a liberdade de expressão, está apenas por uma questão excepcional de pandemia e de saúde pública preservando o direito à vida”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: REDAÇÃO + polemicaparaiba