Além da privatização dos serviços de saneamento e da Eletrobras (Chesf), Correios e Telégrafos, entre outros, o Governo Federal planeja fazer o leilão de concessão da transposição do rio São Francisco em julho de 2021, entregando toda a atividade para a iniciativa privada.

O presidente do Sindicato dos Urbanitários da Paraíba (Stiupb), Wilton Maia Velez, afirmou que o presidente Bosonaro segue o mesmo modelo entreguista da gestão FHC e que só trouxe prejuízos para o País.

“Juntamente com entidades lideradas pela Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), estamos numa luta sem fim contra esses projetos privatistas do Governo, tudo em nome do lucro. Não é fácil, pois o Governo tem padrinhos fortes, com muito poder financeiro. Mas estamos na luta, unidos para salvaguardarmos nosso patrimônio nacional”, avaliou Wilton Maia.

No caso específico do São Francisco, Wilton Maia disse que a entrega da gestão à iniciativa privada certamente vai resultar no aumento das tarifas aos consumidores, já que houve a recarga de água em açudes em vários Estados e até agora não houve cobrança adicional.

COMO SERÁ – A empresa vencedora cuidará da operação dos reservatórios, estações de bombeamento e 477 quilômetros de canais, que alcançam quatro estados do Nordeste –Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte.

O governo tem feito sondagens com investidores e busca empresas de grande porte que poderiam operar um sistema de complexidade alta.

No radar da equipe econômica, estão companhias como a brasileira Weg, que já atua em sistemas de distribuição de água e irrigação em outros países.

A transposição do São Francisco é a maior intervenção hídrica do Brasil. As obras começaram em 2007, no governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O objetivo é interligar as águas do São Francisco a rios dos quatro estados beneficiados.

Os contratos da concessão devem ter duração de 25 a 30 anos. Para fazer a modelagem, o governo contratou o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Ainda não há definição do modelo, e a conclusão dos estudos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: REDAÇÃO + Stiupb