A legislação eleitoral determina que 30% das vagas dos partidos para as eleições sejam destinadas para a candidatura minoritária, em geral, a feminina. Nestas eleições municipais de 2020 foram 4.100 candidaturas de mulheres registradas na Paraíba, representando 32,75% do total (12.519), sendo que 209 (5,10%) foram consideradas inaptas pela Justiça Eleitoral.

Os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que foram 106 postulações femininas para o cargo de prefeita, 149 para o cargo de vice-prefeita e 3.845 disputando uma vaga nas 223 Câmaras Municipais. Ao fim das eleições, 37 prefeitas vão assumir o Executivo a partir do próximo ano e as mais votadas são prefeitas que disputavam a reeleição. Na eleição anterior, em 2016, foram 39 candidaturas vitoriosas. Na lista deste ano, está a prefeita de Bayeux, Luciene Gomes (PDT), que havia sido eleita indiretamente em setembro deste ano.

O partido que mais apresentou candidaturas femininas, entretanto, foi o Cidadania, com 459 mulheres concorrendo ao pleito, ou seja, 11,20% do total. A legenda conseguiu reeleger a prefeita de Mamanguape, Maria Eunice. O segundo partido a lançar candidaturas foi o Progressistas, com 327 (7,98%), seguido pelo Democratas, com 321 (7,83%), e pelo PSDB, com 290 (7,07%).

Já o PSTU só lançou a candidatura de Rama Dantas à Prefeitura de João Pessoa (PMJP), representando 0,02% do público feminino na votação. O UP com cinco candidaturas representou 0,12% do total, seguido pelo PMB com dez (0,24%) e pelo PTC também com dez (0,24%) candidaturas femininas.

Em relação à faixa etária, o TSE aponta uma candidatura para vereadora pelo Psol com mais de 100 anos, no município de Alhandra, mas o presidente do partido, Tárcio Teixeira, informou que o dado está incorreto. O título de mulher mais velha a disputar as eleições na Paraíba, então, coube a Nevinha Caluete (PSD) – na foto –, candidata à vice-prefeita no município de Parari, com 86 anos. Outras cinco mulheres na faixa etária dos 80 anos disputaram as Eleições 2020, representando 0,12% do total.

Segundo as informações da Justiça Eleitoral, o maior número de registro de candidatas ocorreu na faixa etária dos 40 anos. Foram 642 (15,66%) com mulheres até 44 anos, e outras 625 (15,24%) na faixa dos 45 aos 49. Mulheres dos 35 a 39 anos foram responsáveis por 607 (14,80%) dos registros. Já as mulheres mais novas a concorrer neste pleito estavam na faixa etária dos 18 anos. Foram 13 (0,32%) registros, todas para o cargo de vereadora.

Outra informação relevante sobre as candidaturas femininas é a raça. As mulheres que se declararam pardas foram responsáveis por 51,46% do total de inscritas no pleito, ou seja, 2.110. Mulheres brancas representaram 38,27% (1.569), seguidas por mulheres pretas 7,27% (298), amarelas e indígenas com o mesmo número (24 ou 0,59% cada), e outras 75 (1,83%) que não prestaram essa informação.

As mulheres que concorreram ao pleito também apresentaram pouco grau de instrução. Apenas 27,66% (1.134) disseram possuir o ensino superior completo. Outras 175 (4,27%) ainda estão concluindo os estudos de nível superior. Já a maioria – 1.583 (38,61%) – apenas concluiu o ensino médio, enquanto 191 (4,66%) não terminaram. Outras 512 (12,49%) possuem o ensino fundamental incompleto e 354 (8,63%) alcançaram esse nível de aprendizagem. As candidatas que declararam apenas saber ler e escrever foram 3,68% (151) do total de concorrentes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes : REDAÇÃO + espaçopb