Imagens registradas logo após a autópsia no corpo do miliciano Adriano Magalhães de Nóbrega, morto no último domingo (9.fev.2020) na Bahia, reforçam a suspeita de que o ex-capitão do Bope teria sido executado. As fotos dos exames foram obtidas e publicadas pela revista Veja (exclusivo para assinantes).

As imagens mostram marcas no peito, no tórax, na testa e no queixo do ex-policial militar, que era apontado como chefe da milícia do Rio das Pedras e do chamado “Escritório do Crime”, investigado no inquérito que apura o assassinato da vereadora Marielle Franco.

Oficialmente, a Secretaria da Segurança Pública da Bahia sustenta que Adriano foi morto por 2 tiros (1 de carabina e o outro de fuzil), que provocaram lesões no tórax, pescoço e clavícula do miliciano. Os disparos teriam sido efetuados pelos policiais porque Adriano reagiu ao ser enquadrado em 1 sítio no município de Esplanada.

Dois especialistas ouvidos pela Veja analisaram as fotos obtidas pela reportagem e apontaram características que sugerem que Adriano teria sido executado por disparo realizado a curta distância.

O médico legista Malthus Fonseca Galvão chamou a atenção para uma marca na região do peito do ex-policial. Disse que o disparo foi feito a uma distância de, “no máximo“, 40 centímetros. Mencionou também que uma das fotografias mostra uma marca cilíndrica cravada no peito do corpo, o que, em sua avaliação, “tem muita chance” de ter sido provocada pelo cano quente de uma arma logo após o disparo.

Outro especialista disse que, provavelmente, o disparo que atingiu Adriano logo abaixo do queixo foi feito a uma distância de aproximadamente 15 centímetros.

Ambos os especialistas ressalvaram à revista que o ideal seria fazer a análise do corpo, e não somente avaliá-lo por meio de fotografias.

A Justiça do Rio de Janeiro proibiu que o corpo de Adriano fosse cremado, conforme pretendia ter feito a família do ex-policial nessa 4ª feira (12.fev).

A juíza Maria Izabel Pena Pieranti escreveu em sua decisão que, caso autorizasse a cremação, “inviabilizadas estariam eventuais providências a serem levadas a efeito pela autoridade policial”.

“Não é despiciendo enfatizar que o interesse público na cabal elucidação dos fatos tem preponderância sobre o desejo de seus familiares”, completou.

O interesse público acerca da morte de Adriano vai para além de sua relação com a milícia e seu suposto envolvimento com a morte de Marielle. No passado, Adriano já foi homenageado pelo então deputado estadual pelo Rio de Janeiro Flavio Bolsonaro, filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro.

A ex-mulher e a mãe de Adriano já foram empregadas no gabinete de Flavio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. O Ministério Público do Estado investiga se parte do salário das ex-servidoras era repassado para o suposto esquema de ‘rachadinha’ operado pelo ex-assessor Fabrício Queiroz –que era amigo pessoal do miliciano.

Na 4ª feira (12.fev), o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse na Câmara dos Deputados que as forças policiais baianas precisarão prestar explicações a respeito da operação que vitimou Adriano de Nóbrega.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: poder360 + REDAÇÃO