Ex-presidente disse que seu adversário tem um mandato de quatro anos para cumprir e sinaliza que não trabalhará por impeachment

No momento mais inflamado de seu discurso à militância reunida em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deu o tom de como irá tratar seu adversário, o presidente Jair Bolsonaro (PSL). Seu discurso começou por volta das 15 horas.

“Tem gente que fala que precisa derrubar o Bolsonaro, tem gente que fala em impeachment. Veja, esse cidadão foi eleito. Democraticamente nós aceitamos o resultado da eleição. Esse cara tem um mandato de quatro anos. Agora, ele foi eleito pra governar para o povo brasileiro e não para governar para os milicianos do Rio de Janeiro.”

Lula também mencionou o assassinato da vereadora Marielle Franco, cuja investigação tem sido alvo de críticas. “Ele não pode fazer investigação… Não é uma gravação do filho dele (Carlos) que será a uma ‘prova’”, afirmou, em relação ao depoimento de um porteiro, desmentido pelo Ministério Público, que ligou Bolsonaro às apurações.

Em outro momento do discurso, Lula pediu aos militantes que parassem de xingar Bolsonaro com palavrões. “Isso não pode ser falado por nós”, disse. “O Bolsonaro já é um palavrão”, acrescentou.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: veja+ REDAÇÃO