Em meio a uma guerra interna no PSL, além de denúncias que envolvem seu nome na morte da vereadora carioca Marielle Franco e quedas consecutivas de aprovação popular o presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), confirmou que estará em Campina Grande na próxima segunda-feira (11), para a entrega do conjunto habitacional Aluízio Campos que conta com 93% de recursos federais e foi iniciado na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A vinda de Bolsonaro irá reunir verdadeiros desafetos políticos num verdadeiro ‘Palanque do Constrangimento’, tendo em vista que presidente estadual do PSL-PB o deputado federal Julian Lemos que teria orientado o chefe do executivo nacional de não vir a Campina devido as fortes acusações de corrupção na atual gestão do prefeito de Campina Romero Rodrigues (PSD) e de seu vice Enivaldo Ribeiro (PP). Já o irmão do prefeito de Campina, o deputado estadual Moacir Rodrigues (PSL) e o deputado estadual Cabo Gilberto (PSL), desconsideram publicamente o comando de Julian no PSL. “Não tenho nem o telefone dele”, disse Moacir.

Bolsonaro vem travando uma guerra interna com a direção nacional do PSL, que tem desgastado seu governo. Nesta disputa o presidente do PSL-PB teria recebido a tutela de ‘traidor’ pelo filho do presidente o deputado líder do PSL Eduardo Bolsonaro que já o teria tirado da vice-presidência do partido e de comissões na Câmara. Julian também vem sendo acusado de comandar o esquema do laranjal do PSL-PB, quem confirma tal acusação é a suplente de deputada federal Pâmela Bório (PSL). “Como vice-presidente do PSL na época, o Gullien articulou junto ao Bebianno e ao Bivar a distribuição irregular dos repasses do Fundo Partidário aqui na Paraíba e nacionalmente, quando em vários estados foram constatados candidaturas laranjas”, acusou Pâmela. Veja: http://paraibadebate.com.br/pamela-borio-acusa-julian-lemos-de-articular-laranjal-nacional-do-psl/

Guerra de Julian com Moacir e Cabo Gilberto – Ambos (Moacir e Cabo Gilberto) desconhecem a liderança de Julian no PSL. Recentemente à reportagem do programa de Rádio “Arapuan Verdade“, Moacir adiantou que vai fazer uma consulta ao Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) para não sofrer nenhuma penalidade para poder sair da sigla. Ao ser questionado se tem conversado com o deputado federal Julian Lemos, presidente estadual do PSL, Rodrigues foi enfático: “Não tenho nem o telefone dele”. O deputado revelou que o diretório estadual do partido só se reuniu, até hoje, apenas uma vez. Segundo Moacir Rodrigues, já que o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, quer expulsar o presidente Jair Bolsonaro, expulse também ele e todos os filiados.

Na semana passada, o deputado Cabo Gilberto já havia admitido sair do PSL assim que o presidente Bolsonaro deixasse a sigla partidária. Gilberto afirmou que seu mandato não está subordinado a ninguém e que não daria, caso tomasse outro rumo político, satisfação ao deputado Julian Lemos.

Bolinha sem o apoio da nacional– Sem o aval da orientação da nacional do PSL, Julian também teria lançado a pré-candidatura do empresário Artur Bolinha a prefeitura de Campina Grande, tendo em vista que o deputado estadual Moacir Rodrigues (PSL), irmão de Romero, sequer teria sido consultado. Bolinha já coordenou campanha do grupo Cunha Lima na cidade, a exemplo da campanha do ex-deputado federal Rômulo Gouveia na época no PSDB, em 2008. “Eu particularmente tive a oportunidade de em 2008, ser coordenador de sua campanha”, dizia Bolinha, ao reconhecer sua trajetória política: https://snn.com.br/artur-bolinha-destaca-vocacao-politica-de-romulo-gouveia/

A vinda de Bolsonaro a Campina, portanto trará um clima de desconforto entre as alas do PSL paraibanos comandadas por Julian Lemos e de Moacir Rodrigues. Especula-se nos bastidores políticos que Julian não terá direito a falas, tendo em vistas as recentes criticas ao prefeito Romero Rodrigues e seu vice-Enivaldo Ribeiro. Recentemente o presidente do PSL-PB titulou a atual gestão municipal de ‘corrupta’ e ‘torta’ e relatava que devido a isso Bolsonaro não devir vir a Campina. Veja: https://www.clickpb.com.br/politica/julian-critica-cabide-de-empregos-na-gestao-de-romero-e-diz-coisa-esta-muito-torta-em-campina-grande-269338.html

Julian também vem desferindo na imprensa nacional sucessivos ataques a família Bolsonaro, como revela nessa matéria do site O Antagonista: “Os meninos vão inviabilizar muita coisa do governo”, diz vice-líder afastado do PSL. Veja: https://www.oantagonista.com/brasil/os-meninos-vao-inviabilizar-muita-coisa-do-governo-diz-vice-lider-afastado-do-psl/

Operação Famintos: “Eu faço críticas a corrupção, eu sou um homem de palavras pesadas. E tem sim corrupção no governo Romero, pois tem secretário sendo preso, a ex-cunhada dele foi presa, estão metendo a mão na merenda escolar. Tem cabide de empregos na assessoria do prefeito sim”, disse Julian sobre a gestão de Romero destacando também que não é bobo “Eu estou afirmando que o modelo de gestão da prefeitura favorece cabide de empregos e isso é imoral. Aqui mesmo em Campina quem é apadrinhado de Romero, a esposa do irmão do prefeito, afilhados, aí começa…”, comentou Julian Lemos. Veja mais detalhes: https://dercio.com.br/blog/operacao-famintos-julian-lemos-considera-romero-cumplice-e-acha-sua-gestao-corrupta/ 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: pbnews + REDAÇÃO