A semana de licença do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, do dia 15 a 19 deste mês, será passada nos Estados Unidos.

Moro e sua esposa Rosângela, além da filha Júlia, embarcaram na noite desta sexta-feira (12) no aeroporto de Viracopos, em Campinas. O anúncio da licença não remunerada foi justificada para “tratar de assuntos particulares”.

Sob os efeitos do escândalo da Vaza Jato, que revelou o conluio do então juiz com procuradores de Curitiba, Moro, na versão do colunista Lauro Jardim, do Globo, “foi moderadamente aplaudido” pelos passageiros no início do voo com destino a Fort Lauderdale, na Flórida.

Sem ter direito a férias remuneradas porque começou a trabalhar no cargo apenas em janeiro deste ano, Moro recebeu a autorização do presidente Jair Bolsonaro para tirar uma licença durante o período.

O afastamento do ministro se dá em meio à crise gerada pela publicação das conversas e trocas de mensagens de Moro com a força-tarefa de procuradores da operação Lava Jato, mostrando que o ministro orientava a atuação dos procuradores nos processos.

Segundo o líder da bancada do PT, Paulo Pimenta (RS), por não ser servidor público, Moro não tem direito à licença.

“O cargo de ministro de Estado se encaixa no que a legislação denomina de AGENTE POLÍTICO, função que não é regulada pela lei 8.112/1990. A sua licença, portanto, é ILEGAL. Nenhuma novidade em se tratando de @SF_Moro“, afirma o deputado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: brasil247 + REDAÇÃO