Iniciados na manhã desta quinta-feira 30, os atos contra os cortes na educação promovidos pelo governo de Jair Bolsonaro tem crescido ao longo do dia e já acontecem em mais de 20 estados do Brasil. Por volta de 18h, mais de 90 cidades realizavam atos em defesa de uma educação pública e de qualidade.

Desde o final da tarde e início da noite, começaram as manifestações nas maiores capitais do País, São Paulo e Rio de Janeiro. Em São Paulo, o protesto se concentra no Largo da Batata, zona oeste da capital, que está lotado e onde lideranças estudantis discursam, como a presidente da UNE, Mariana Dias, que lembrou que “Bolsonaro não é o rei do Brasil”. Os manifestantes devem caminhar em direção à Avenida Paulista.

No Rio de Janeiro, uma multidão se reúne da Candelária desde as 15h e toma as ruas da região central ao cair da noite. Em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, o ato ocorreu durante a tarde.

Brasília até o momento foi uma das maiores, com milhares de estudantes, professores e técnicos de educação percorrendo a Esplanada dos Ministérios.

Mais cedo, a primeira capital do país a sair às ruas em defesa da educação foi Teresina, no Piauí. Atos contra os cortes na educação também foram registrados no interior dos estados de São Paulo, Ceará, Bahia e Pernambuco, e em diversas outras regiões. No interior do Ceará, houve protestos nas cidades de Quixadá e Limoeiro do Norte, o mesmo ocorrendo em Caruaru e Araripina, interior de Pernambuco.

Ainda pela manhã, houve atos na Bahia, na capital, Salvador, e nas cidades de Ilhéus, Planalto e Feira de Santana. Em Goiás, os estudantes fizeram manifestações nas cidades de Rio Verde, Catalão e Posse. Em São Carlos, importante polo universitário no interior de São Paulo, milhares de estudantes tomaram as ruas.

Além do corte de verbas que afeta o funcionamento de escolas, institutos federais e universidades, os manifestantes também protestam contra a proposta de “reforma” da Previdência, que pretende restringir o acesso às aposentadorias.

20 mil pessoas em João Pessoa, segundo organizadores

Impulsionada por professores, estudantes e técnico-administrativos na UFPB, a manifestação contra  contra o corte de 30% no orçamento das universidades e institutos federais reuniu uma multidão protestando em João Pessoa, nesta quinta-feira (30). Representantes de diversos outros segmentos partidários e da sociedade organizada se fizeram presentes.

Segundo estimativa dos organizadores do ato, cerca de 20 mil pessoas fizeram parte da manifestação na Capital paraibana. Atos também foram registrados em Campina Grande, Esperança, Sousa, Cajazeiras e Patos.

A Polícia Rodoviária Federal registrou trânsito com grande engarrafamento na BR-230 em ambos os sentidos. O congestionamento foi da UFPB até o Hospital de Trauma de João Pessoa. A Superintendência de Mobilidade Urbana de João Pessoa (Semob-JP) fez desvios no trânsito até que os manifestantes chegasse a Praça da Paz, no bairro dos Bancários.

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: redebrasilatual + REDAÇÃO