Brasília – O presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, senador Vital do Rego, faz um balanço dos trabalhos realizados no primeiro semestre pela comissão

O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Vital do Rêgo, negou ter recebido qualquer doação ilegal, durante a campanha eleitoral de 2014, da empresa OAS. A defesa de Vital disse que não teve acesso à delação de executivos da OAS, mas que ele reitera manifestação feita há três anos, de que não teria recebido qualquer doação irregular.

Vital está entre os delatados por executivos da OAS, conforme matéria publicada no Jornal “O Globo”, ontem (27). Conforme o jornal, ele teria recebido R$ 3 milhões durante a campanha eleitoral de 2014 para, em troca, blindar a empresa OAS na CPI mista da Petrobras.

Além de Vital, outro paraibano, o ex-senador Lindbergh Farias (PT-RJ), também foi citado pelos executivos da OAS, que o acusam de ter recebido um pagamento de R$ 400 mil para bancar serviços do publicitário João Santana, que coordenava campanhas do PT.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: parlamentopb + REDAÇÃO