No despacho em que devolveu o mandato ao senador tucano Aécio Neves (PSDB-MG), acusado de receber propina de R$ 2 milhões da JBS, dentre outros crimes, o ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello exaltou seus “fortes elos com o Brasil” e sua “carreira política elogiável”; “É brasileiro nato, chefe de família, com carreira política elogiável…”, descreve; com sua decisão, Marco Aurélio reverteu liminar do relator da Lava Jato, Edson Fachin, que havia afastado Aécio das atividades parlamentares após um áudio revelar que ele havia pedido dinheiro ao empresário Joesley Batista.

Meu Deus do céu!

Como alguém sem sofrer de oligofrenia, dispondo de algum resíduo de cidadania, uma fagulha de consciência democrática, pode ficar impassível diante desse escárnio?

A pergunta é irresistível: o que seria do Mineirinho se ele fosse petista? Mais irresistível ainda é comparar os delitos de João Cunha e Genoíno com os crimes de Aécio ( recordista na Lava jato), Serra ( Furnas, Privataria, 23 milhões na Suíça), Alckmin( Furnas, trensalão, superfaturamento de merenda…) Como é bom ser tucano nesse país!

O STF tem umas coisas ‘esquisitas’: Lula não pôde ser ministro, mas Moreira Franco com o bisaco cheio de propinas da JBS é ministro de muito prestígio. Jucá, de muitas propinas, envolveu o próprio Supremo no golpe, “já falei com alguns ministros” pra estancar a sangria, tá soltíssimo e atuante, enquanto o petista Delcídio foi preso em pleno Senado, autorizado pelo mesmíssimo Supremo, que livrou a cara de Aécio.

Durma-se nesse país!

Sem mandato, o mineirinho iria cair no colo de Moro. Sinuca de bico pra o juiz famoso!
E Loures, flagrado, gravado, filmado com maleta e tudo? Solto também! Preso, poderia delatar o presidente.

Por muito menos, muitos petistas foram cumprir férias na colônia penal da Papuda, pelas mãos de Moro, pela caneta do Supremo. E ainda querem prender Lula, sem uma única prova, com 76 testemunhas, algumas, vejam só, arroladas pela própria acusação, inocentando o ex-presidente.

Por falar em ex-presidente, o sociólogo, logo depois de seu segundo principado, adquiriu num bairro muito chique de Paris um apartamento de 44 milhões de reais e nunca sofreu um único arranhão da mídia, um mísero beliscão da justiça. E Moro quer prender Lula por um triplex que o cartório registra que não é dele.

Extraia-se paneleiros e coxinhas produzidos pela usina Globo e pergunte-se, qual cidadão de bem, com uma greta de coerência, um trisco de racionalidade, um lampejo de senso de justiça, consegue dormir em paz num país governado por um presidente ilegítimo, traidor, corrupto, rodeado por ministros golpistas, recheados de delações?

Haja lexotan!

 

Sebastião Costa – médico